O PROJETO

          Iniciado em 2016, o Projeto de Extensão FAUNA BRASIL – UFF | Laboratório de Registro Audiovisual da Fauna Brasileira, da Universidade Federal Fluminense, tem o objetivo de oferecer à população brasileira e à comunidade acadêmica material audiovisual com temas relevantes à biodiversidade nacional e à importância da fauna nativa e da conservação ambiental. As atividades do Laboratório unem o Ensino, a Pesquisa e a Extensão.

          A equipe investiga e prioriza temas ambientais relevantes, e os elege para desenvolver documentários. A importância do projeto está em promover a educação ambiental, a sensibilização e a conscientização sobre a importância de proteger a fauna e a flora nativa brasileira e seus biomas. A educação ambiental através da mídia audiovisual é uma forma de despertar a consciência do público para o que há a sua volta, a sociedade e a natureza. O projeto almeja também despertar os sentimentos de pertencimento e de responsabilidade em relação ao ambiente. Os documentários têm como objeto as espécies da macrofauna neotropical e seus habitat, além de temas de relevante interesse ecológico e socioambiental. O FAUNA BRASIL – UFF promove também estudos comportamentais sobre as espécies gravadas e a divulgação do material ao público-alvo, em escolas públicas e particulares de ensino fundamental, médio e superior.

          O trabalho consiste em gravações e registros de espécies da fauna brasileira por uma equipe de alunos, técnicos e professores que vão a campo para o habitat de cada espécie-alvo. O roteiro e a edição do material gravado para confecção de documentários são realizados no laboratório, sediado no Setor de Animais Selvagens da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense. A divulgação é feita através das redes sociais e mídias, como YouTube, Facebook, Vimeo, Instagram e um site próprio. A equipe é multidisciplinar e conta com a participação de acadêmicos de Medicina Veterinária e Ciências Biológicas, além de profissionais graduados em Cinema.

          Considerando o histórico das pesquisas realizadas, o setor dispõe de um extenso banco de imagens e de contínua atividade no Cerrado do Parque Nacional da Serra da Canastra, MG; em ambientes costeiros como o Núcleo Experimental de Iguaba Grande (Fac. Vet. / UFF) e o Parque Estadual da Serra da Tiririca, ambos no RJ; e, mais recentemente, no Pantanal do MS.